Insuficiência cardíaca

Heart failure is a chronic degenerative disease that affects your heart’s ability to pump enough blood to meet your body’s needs efficiently. This means that the blood cannot carry enough oxygen, as well as the nutrients necessary for your body to work normally.

Heart failure can be caused by current or past diseases such as coronary disease, heart attack or high blood pressure that have damaged and forced your heart into working harder than usual.

One of the main effects of heart failure are fatigue as a result of your heart’s inability to pump enough blood to the rest of your body. Secondly, it causes blood to be withheld, waiting to go into your heart. This blood accumulation can cause fluid to find a way out through your blood vessels and into the surrounding tissue (lungs and abdomen) and your lungs to congest.

Heart failure can appear at any age, but chances it appears increase with age.

Nowadays, it is estimated that more than 26 million people in the world suffer from heart failure; each year 1 million new cases are diagnosed and this disease is considered the cause of death for 50 thousand people during that same period.


Types And Stages Of Heart Failure


There are two main types of heart failure:

  • Chronic heart failure. Symptoms disappear gradually but tend to worsen over time. This is the most common type of heart failure.
  • Acute heart failure. Symptoms appear suddenly and are serious at the beginning, but patients improve rapidly if they follow proper medical treatment.

As to the disease stages, the New York Heart Association has identified four clearly delimited classifications:

  • Class I. The patient has no limitations and can perform normal physical activities without fatigue or shortness of breath (dyspnea).
  • Class II. The patient experiences MILD limitation of physical activity. At rest, the patient feels no discomfort, but normal physical activities result in shortness of breath.
  • Class III. The patient experiences MODERATE limitation of physical activity. At rest, the patient feels no discomfort, but some physical activities such as taking a shower or dressing up result in shortness breath.
  • Class IV. The patient experiences SEVERE limitation of physical activity. The patient feels discomfort even at rest and is unable to carry on any physical activity.

In the end, your doctor is the only person who can determine the type and class of heart failure you present in case you suffer from this disease.


Symptoms


A person who suffers from heart failure can present symptoms that can vary from dyspnea (shortness of breath), weight gain as a result of fluid retention, to fatigue or exhaustion and fast heart rate (tachycardia). Symptoms occur due to two main reasons:

  • Fluid accumulation or retention in the body
  • Lack of blood flow in the body

Other symptoms derived from fluid retention in the body can be weight gain and swollen ankles, thighs and abdomen. In order to counteract these effects, your doctor may prescribe you reduce your intake of fluids or start taking diuretics.

Whenever there is lack of blood flow in the body, the following symptoms appear: exhaustion or fatigue, and dizziness. This happens because the person lacks nutrients in their body and oxygen in their muscles (hence the fatigue) as a result of the heart failure’s reduction of the heart’s ability to pump blood. The patient also presents low blood pressure resulting in dizziness, and their heart rate accelerates as the heart tries to compensate lack of blood flow with a quicker beat.

Actually, symptoms respond greatly to the type of heart failure of the patient (chronic or acute), and they can vary from patient to patient. As a result, it is important that the patient is alert to the appearance of such discomfort and notifies their doctor in case any anomaly or new symptom is detected.

Detection

It is important to highlight that only specialized doctors can diagnose you with heart failure or not, and the type and class you’re in. In order to do this, first your doctor has to assess your clinical history by asking several questions regarding your lifestyle, family history and current or past diseases. The more honest your answers are, the more accurate your diagnosis will be.

Later, you will go through a physical examination to check your blood pressure, lungs and heart in order to verify that no abnormal sounds exist. You will also have your legs and abdomen checked in order to detect any indication of swelling.

Lastly, your doctor may carry out other more specific tests at their office such as a chest X-ray and stress tests:

Electrocardiogram EKG, which consists in attaching several patches on different parts of your body, such as the chest and wrists, and then plugging them to a machine that detects the rhythm and electrical activity of your heart. Thanks to this test, your doctor will be able to identify if your heart has been subjected to extra strain (volume or pressure). Your doctor might also ask you to carry a small device with you for some time (24 hrs.) in order to register your heart’s activity during normal physical activities.


Echocardiography, which helps your doctor see your heart in an image (heart ultrasound) and provides valuable information on the structure and size of your heart, its valves and activity. In order to carry out this test, your doctor might ask you to take a stress test before and/or after the echocardiography to compare the condition of your heart both during rest and any physical activity.



Treatment


Based on the diagnosis, your doctor might choose among the following treatment options:

Medication.

Not all patients suffering from heart failure have to take every medication available to control this disease. Your doctor will prescribe the medication deemed appropriate for you to take based on the symptoms your body presents, your overall medical condition and even your normal habits in general.

Among the most common drugs designed to treat heart failure are the following:

Angiogestin-converting enzyme inhibitors (ACEI). These inhibitors block the effects of the angiogestin II hormone produced in the kidneys. ACEIs relax blood vessels, which causes a decrease in blood pressure and your heart’s pumping to normalize.


Angiogestin II receptor antagonists (ARB). They practically have the same function as ACE inhibitors: they relax blood vessels by controlling angiogestin. However, since ARB’s tend to be the highest in cost, they are only prescribed to patients who can’t tolerate ACEIs.


Aldosterone receptor antagonists. These substances block the effects of aldosterone, a hormone produced in the adrenal glands which worsens the level of heart failure in patients. Among the effects of these drugs, we can find arterial congestion and a decrease in blood pressure, which is why the heart is protected against any type of complication that might arise.


Beta blockers. Beta blockers stabilize your heart’s ability to pump by slowing down your heart rate and decreasing blood pressure.


Digitalis. Digoxin is the most famous digitalis. It decreases fluid retention in the heart, thus preventing any future swelling or edema. Besides, it is useful to decrease an accelerated heart rate in patients.


Statins. These drugs are used to counteract coronary disease as they prevent any plaque or cholesterol accumulation in the arteries.


Medications to treat acute heart failure. These drugs, in particular, increase your heart’s short-term performance by dilating blood vessels and allowing your heart to slow down. Generally, these medications are administered under intensive care.


Since people suffering heart failure are patients who need medication for the rest of their lives, it is important that you always ask and tell your doctor about any concern you might have regarding your treatment. It is likely that you also require more than one medication at a time, which means that monitoring them is of utmost importance to ensure your treatment succeeds. Below, we share a table that can help you accomplish this task


Medication Dosage Time Comments/Special Recommendations

Surgery

There will be times when medication is not enough to treat heart failure and it will be necessary to consider heart surgery. This refers to highly specific situations, in which only the doctor can decide if the patient is a suitable candidate to undergo a surgical procedure. Nowadays, three types of surgical procedures are carried out that, despite entailing certain risks, are performed more regularly thanks to current medical advancements.

Coronary revascularization surgery.
The purpose of this surgery is to facilitate blood flow by manipulating the blocked artery (ies) in order to stabilize your heart’s activity.

Valve replacement surgery.
During this surgery, the doctor removes the heart’s damaged valve and replaces it with an artificial valve—metal or plastic—or with a human or animal tissue valve. The new valve reestablishes blood flow towards the heart.


Cardiac transplant surgery.
Once all option treatments for heart failure have been exhausted but the patient still has a good health condition, the doctor might suggest a heart transplant which improves the quality of life and extends life expectancy of the patient. However, transplant surgery leads to an important decision on behalf of the patient and the patient’s family. They must be well advised at all times by the medical team and the patient must undergo several medical tests to determine if they are a suitable candidate or not; this adds to the amount of time the patient has to wait before receiving and ideal donor’s heart.



Devices

Thanks to medical advancements, nowadays there is a great variety of medical devices that improve heart activity. These devices send out small painless electrical signals that stabilize your heart rate.

Among their benefits, we can find that they not only alleviate heart failure symptoms but also increase the patient’s life expectancy over time. Also, some devices have been designed to send out clinical data directly to the treating physician. This way, the doctor can detect more easily any sign of improvement or worsening in the patient.

Pacemaker.
A pacemaker consists of a small metallic device implanted under the skin that causes no discomfort to the patient and that monitors the patient’s heart rate. Also, when necessary, the pacemaker helps the heartbeat, through small electrical impulses received on the heart’s right side.


Automatic Implantable Cardioverter Defibrillator (AICD).
An AICD is similar to a pacemaker in size and function; however, this device is programmed to raise its electrical shocks when it detects a life-threatening change in the heart’s rhythm: serious (cardioversion) or very serious (defibrillation).


Cardiac Resynchronization Therapy (CRT).
Just like the previous devices, this treatment also stabilizes heart rate using electrical impulses, but this one specifically also acts on the left side of the heart—unlike pacemakers that only serve one side—thus holistically improving its ability and function.


Some Questions To Ask Your Doctor


Below you will find a series of suggested questions you might want to ask your doctor

  • What are the side effects of the medication I’m taking?
  • Whom should I contact in case I experience some side effects?
  • Will I need a new prescription? How often?
  • How can I know if I’m a suitable candidate for a heart transplant?
  • What are the risks of transplant surgery?
  • What would my lifestyle be after surgery?
  • How can I know if I’m a suitable candidate for a medical device and what’s the ideal one for me?
  • Are there any harmful effects to using any of these devices?
  • Once the device is implanted, how often should I make an appointment to verify its condition?
  • Should I take any other medication apart from the device treatment?

Living With Heart Failure


Since heart failure is a chronic disease that depends on a long-term treatment, patients suffering heart failure must be willing to change their habits in order to enable this medical treatment be successful. Below, we share some tips that will help you cope with the treatment:


  • Restrict salt, fat and excess alcohol intake.
  • Some patients consider exercising to be harmful for patients with heart failure; however, if you practice moderate exercise—such as walking—your body fills with oxygen and energy, which improves your heart’s ability to pump. It is highly advisable that any type of exercise is suggested/overseen by your doctor.
  • Closely monitor the medication prescribed by your doctor. You can rely on the table we previously showed you in the Medication section.
  • Learn to check your blood pressure and to manually check your heart rate in order to closely monitor your treatment’s progress.
  • Implement energy-saving techniques, which will allow you to perform more daily activities such as working or even have sexual relations with your partner. You may implement the following techniques, although it is always advisable to ask directly to your doctor about what you can or cannot do:
    • During the day, when you are working, take small breaks.
    • It is advisable to not make sudden moves. Move slowly and smoothly to avoid fatigue.
    • Avoid performing any type of activity right after you’ve had a meal or when you feel too cold or too hot.
    • Do not perform activities that demand excessive effort from you.

Tips For Carers

In all medical treatments, patients find valuable support in their family and friends. They must be understanding and provide enough care to help the patient cope with the many changes the treatment makes to their lives—difficulty to carry out daily activities due to fatigue or shortness of breath and even getting used to taking several medications a day and making changes to their diet.

If you are a relative or a friend of a patient with heart failure, these tips might be useful to you:

  • Support the patient by planning how and when they must take their medication.
  • When you attend medical appointments with the patient, you can also write down any of the doctor’s recommendations in a special notebook and make questions about the treatment.
  • Regarding any change in the patient’s diet plan, you can implement some of the doctor’s recommendations—like cooking using less salt or less oil—with the rest of the family. You can also cook without any salt and then let each family member season to taste.
  • Encourage the patient to be active without exceeding their limits as it is proven that moderate exercise decreases discomfort and increases energy levels in the body.
  • If the patient becomes tired of carrying out daily activities—like taking a shower or dressing up—make sure they get some rest before resuming activities.

Patient Groups


In many countries, there are support groups attended by people who suffer from heart failure, and patients find in these groups a place to share their concerns and experiences regarding their treatment. In these groups, for example, a transplant patient can share their experience with another patient who is considering getting a transplant or patients can share their opinion or experience regarding a medical device or medication.

The dynamic created in these patient groups is very rich and some people claim it is a great tool to cope with the emotional burden that any medical treatment for a chronic disease entails.





A insuficiência cardíaca é uma doença crônica degenerativa que afeta a capacidade do coração de bombear a quantidade suficiente do sangue para atender as necessidades do corpo. Isto significa que o sangue não pode levar o  oxigênio suficiente, nem os nutrientes, para que o corpo funcione normalmente.

 

A insuficiência cardíaca pode surgir devido a doenças atuais ou passadas, como uma doença coronária, um infarto ou hipertensão que danaram o coração e o fizeram trabalhar mais do normal.

 

Os principais efeitos da insuficiência cardíaca são primeiramente a fadiga, como resultado da incapacidade do coração de levar sangue suficiente para o corpo; segundo, ela provoca uma retenção do sangue, antes de entrar no coração. Este acúmulo de sangue pode sair dos vasos sanguíneos e entrar nos tecidos circundantes (pulmões e abdômen) o que causa congestão.

 

A insuficiência cardíaca pode surgir em qualquer idade, mas a probabilidade de padecê-la aumenta ao envelhecer.

 

Estima-se que atualmente mais de 26 milhões de pessoas no mundo padecem insuficiência cardíaca. A cada ano 1 milhão de casos novos são diagnosticados, e esta doença é a causa da morte de 50 mil pessoas nesse mesmo período.

 

Tipos e etapas da insuficiência cardíaca

Há dois tipos principais da insuficiência cardíaca:

 

  • Insuficiência cardíaca crônica. Os sintomas vão aparecendo paulatinamente, mais tendem a piorar com o tempo. Este é o tipo de insuficiência cardíaca mais comum.
  • Insuficiência cardíaca aguda. Neste caso, os sintomas aparecem subitamente e são graves no princípio, mas com o tratamento adequado, os pacientes podem melhorar rapidamente.

 

Com respeito às etapas da doença, a New York Heart Association tem identificado quatro estágios claramente delimitados:

 

  • Etapa I. O paciente não tem limitações, ele realiza suas atividades físicas sem fadiga nem falta de ar (dispneia).
  • Etapa II. O paciente tem uma limitação funcional menor, em repouso não apresenta desconforto, porém as atividades físicas de rotina provocam falta de ar.
  • Etapa III. O paciente tem uma limitação funcional moderada, não apresenta desconforto em repouso, mas atividades diárias como tomar banho ou se vestir provocam falta de ar.
  • Etapa IV. O paciente tem uma limitação funcional grave. Ele apresenta sintomas ainda em repouso e não pode realiza atividade física nenhuma.

 

Afinal só seu médico pode determinar o tipo e estágio da insuficiência cardíaca que você padece.

 

Sintomas

Os sintomas que apresenta uma pessoa com insuficiência cardíaca variam desde dispneia (falta de ar), aumento de peso pela retenção de líquidos, fadiga e até taquicardia. Os sintomas aparecem devido a duas razões principais:

 

  • o acúmulo ou a retenção de líquido no organismo,
  • a escassez do fluxo sanguíneo no corpo.

 

Outros sintomas decorrentes da retenção de líquidos no organismo são o aumento de peso e o inchaço dos tornozelos, pernas e abdômen. A fim de neutralizar esses efeitos, seu médico pode indicar você reduzir a ingesta de líquidos ou tomar diuréticos.

 

Os sintomas da escassez do fluxo sanguíneo no organismo são cansaço ou fadiga e vertigem. Isto acontece porque a insuficiência cardíaca diminui a capacidade do coração de bombear sangue, deixando a pessoa sem nutrientes e oxigênio suficientes nos músculos (o qual explica a fadiga). O paciente apresenta também pressão arterial baixa que provoca a vertigem, e a frequência cardíaca aumenta porque o coração tenta compensar a falta de fluxo sanguíneo batendo mais rapidamente.

 

Na verdade, os sintomas variam muito entre a insuficiência cardíaca crônica e a aguda, assim como de paciente a paciente. Como resultado, é muito importante que o paciente fique atento à manifestação de desconfortos e avise ao seu médico caso detecte algum sintoma novo.

 

Detecção

  • Electrocardiograma ECG, que consiste en colocar parches en diferentes partes de del cuerpo del paciente, como el pecho y sus muñecas, conectándolos después a una máquina que detecta el ritmo y la frecuencia eléctrica del corazón. Con esto, su médico podría identificar si su corazón se ha sometido a sobrecargas de volumen o de presión. También podría pedirle que lleve consigo un pequeño dispositivo por cierto tiempo (24 hrs), para captar el funcionamiento de su corazón durante sus actividades habituales.

 

  • Ecocardiografía, método en el cual puede apreciarse el corazón a través de una imagen (Ultrasonido cardiaco) que proporciona información valiosa sobre la estructura y tamaño de su corazón, sus válvulas y cómo está funcionando. Para realizar esta prueba su médico podría someterle a una pequeña prueba de esfuerzo antes y/o después de la ecocardiografía para comparar el estado de su corazón, tanto cuando está en reposo como cuando realiza alguna actividad física.

 

É importante ressaltar que só os médicos especialistas podem diagnosticar a insuficiência cardíaca, assim como o tipo e estágio.  A fim de fazer isto, seu médico deve avaliar seu prontuário médico, e fazer várias perguntas sobre seu estilo de vida, histórico familiar, e doenças atuais e passadas. Quanto mais honesto você for ao responder, mais preciso será seu diagnóstico.

 

Após você fará um exame físico para avaliar sua pressão arterial, e verificar que seus pulmões e coração não têm ruídos anormais. O médico também examinará suas pernas e abdômen para detectar indícios de inchaço.

 

Por último, seu médico poderia pedir exames mais específicos como raio-x do tórax, exame de esforço no consultório ou:

 

  • Eletrocardiograma ECG, ele consiste em colocar adesivos em diferentes partes do corpo, como no peito e no pulso. Esses adesivos estão conectados a uma máquina que detecta o ritmo e atividade elétrica do coração. Através deste exame, seu médico poderá identificar se seu coração tem sido submetido a esforços adicionais (de volume ou de pressão). Seu médico poderia também pedir você carregar um dispositivo por algum tempo (24 horas) para registrar a atividade do seu coração durante atividades físicas normais.
  • Ecocardiograma é um método que produz uma imagem do coração (ultrassom cardíaco) e fornece informações valiosas da estrutura e tamanho do coração, das válvulas cardíacas e do seu funcionamento. Para fazer este exame, você às vezes tem que fazer um exame de esforço antes ou após o ecocardiograma para comparar as condições do seu coração tanto em repouso como durante a atividade física.

 

Tratamento

Baseado no diagnóstico, seu médico poderia escolher um dos tratamentos seguintes:

 

Medicamentos

Nem todos os pacientes com insuficiência cardíaca têm que tomar medicamentos para controlar a doença. Seu médico prescreverá o medicamento que considere adequado para você, baseado nos sintomas, na sua condição  médica e até nos seus hábitos em geral.

 

Entre as drogas mais comuns para o tratamento da insuficiência cardíaca estão:

Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA). Esses inibidores bloqueiam o efeito dos hormônios angiotensina II, que são produzidos pelos rins. Os inibidores da ECA relaxam os vasos sanguíneos, o qual resulta num aumento da pressão arterial e na estabilização do batimento do coração.

 

Bloqueadores dos receptores de angiotensina II. Eles têm praticamente a mesma função do que os inibidores da ECA, pois relaxam também os vasos sanguíneos controlando a angiotensina. Entretanto, devido a que os bloqueadores são muito mais caros do que os inibidores, eles são prescritos só aos pacientes que não toleram os inibidores.

 

Antagonistas de aldosterona. Estas substâncias bloqueiam os efeitos da aldosterona, que é um hormônio produzido pelas glândulas adrenais e que piora o nível de insuficiência cardíaca. Entre os efeitos deste medicamento temos a diminuição da congestão arterial e da pressão arterial, com o qual o coração fica protegido contra qualquer complicação futura.

 

Betabloqueadores. Eles estabilizam a capacidade do coração de bombear sangue reduzindo a frequência cardíaca e a pressão arterial.

 

Digoxina. Ela é o digitálico mais conhecido. A digoxina diminui a retenção de líquidos no coração, evitando inchaços ou edemas. Além disso, é utilizado para reduzir a frequência cardíaca quando está muito rápida.

 

Estatinas. Este medicamento é usado para tratar a doença coronaria, pois evita o acúmulo de colesterol nas artérias.

 

Medicamentos para o tratamento da insuficiência cardíaca aguda. Esses medicamentos, em geral, aumentam o funcionamento do coração a curto prazo dilatando os vasos sanguíneos e reduzindo a frequência cardíaca. Em geral, esses medicamentos são administrados na Unidade de Cuidados Intensivos.

 

Devido a que os pacientes com insuficiência cardíaca devem tomar medicamentos para toda a vida, é muito importante que você fale com seu médico sobre qualquer dúvida ou preocupação que você tiver sobre seu tratamento. É provável que você precise de mais de um medicamento por vez, o qual significa que levar um controle deles é essencial para garantir o sucesso do tratamento. A tabela seguinte pode ajudar você a cumprir com essa tareia.

 

Cirurgia

Às vezes o medicamento não é suficiente para tratar a insuficiência cardíaca, então será necessário considerar a cirurgia de coração. Estes são casos muito específicos, e o médico é a única pessoa que pode decidir se o paciente é elegível à cirurgia. Atualmente se realizam três tipos de procedimentos cirúrgicos que, embora os riscos que envolvem, são praticados frequentemente graças aos avanços médicos da atualidade.

 

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio CRM. O propósito dela é facilitar o fluxo do sangue ao manipular a artéria obstruída para normalizar o funcionamento do coração.

 

Cirurgia de Substituição de Válvula Cardíaca. Durante esta cirurgia, o médico retira a válvula lesionada e coloca no seu lugar uma válvula artificial (de metal ou de plástico) ou uma válvula biológica feita de tecido humano ou animal. A válvula nova reestabelece o fluxo do sangue para o coração.

 

Cirurgia de Transplante Cardíaco. Uma vez que todas as opções foram esgotadas, mas o paciente ainda tem uma boa condição de saúde, o médico poderia sugerir o transplante de coração, que melhora e prolonga a qualidade da vida do paciente. Entretanto o transplante cardíaco representa uma decisão muito importante para o paciente e a sua família. Eles devem ser aconselhados pela equipe médica e o paciente deve fazer vários exames para determinar sua elegibilidade. Além disso, o paciente tem que esperar certo tempo para receber um coração de um doador adequado.

 

Dispositivos

Graças aos avanços médicos, na atualidade existem vários tipos de dispositivos médicos que melhoram a atividade cardíaca. Estes dispositivos enviam pequenos sinais elétricos indolores que estabilizam o batimento do coração.

 

Entre os benefícios dos dispositivos, temos que além de aliviar os sintomas da insuficiência cardíaca, eles prolongam a vida do paciente. Alguns dispositivos até enviam dados clínicos ao seu médico. Deste jeito, o médico pode detectar mais facilmente qualquer indício de melhora ou empiora no paciente.

 

 

 Marca-passo. O marca-passo é um pequeno dispositivo metálico implantado embaixo da pele, ele não causa desconforto para o paciente e monitoriza a frequência cardíaca dele. Além disso, quando for necessário o marca-passo também ajuda o coração a bater, através de pequenos pulsos elétricos no lado direito do coração.

 

Cardioversor Desfibrilador Implantável CDI. Um CDI é semelhante ao marca-passo no tamanho e funcionamento, porém o CDI está programado para aumentar as cargas elétricas dependendo da gravidade dos ritmos cardíacos: grave (cardioversão), e muito grave (desfibrilação).

 

Terapia de Ressincronização Cardíaca TRC. Como os outros dispositivos, a TRC também estabiliza a frequência cardíaca, mas age também no lado esquerdo do coração, a diferença do marca-passo que atende só o lado direito, pelo qual é um dispositivo com uma habilidade e um funcionamento melhores.

 

Perguntas para o seu médico

Aqui apresentamos para você algumas perguntas sugeridas para fazer ao seu médico.

 

  • Quais são os efeitos secundários dos medicamentos que tomo?
  • A quem devo chamar caso experimente um efeito adverso?
  • Vou precisar de uma receita nova? A cada quanto tempo?
  • Como posso saber se eu sou elegível para transplante de coração?
  • Quais são os riscos da cirurgia de transplante de coração?
  • Como vai ser minha vida após o transplante?
  • Como posso saber se eu sou elegível para um dispositivo médico e qual é o melhor para mim?
  • Tem efeitos nocivos o uso desses aparelhos?
  • Uma vez implantado o dispositivo, a cada quanto tempo tenho que voltar à consulta para verificar o estado e funcionamento dele?
  • Devo tomar medicamentos em conjunto com o tratamento do dispositivo?

 

Viver com insuficiência cardíaca

Os pacientes com insuficiência cardíaca devem ter vontade de mudar seus hábitos para aumentar a chance de ter um tratamento bem-sucedido. Aqui nós apresentamos algumas dicas para ajudar você a sobrelevar o seu tratamento:

 

  • Limite a sua ingesta de sal, gordura e álcool.
  • Algumas pessoas acham que o exercício e nocivo para pacientes com insuficiência cardíaca; porém o exercício moderado, como caminhar, ajuda a levar oxigênio e energia a seu corpo, melhorando a capacidade de batimento do coração. Seu médico deve recomendar, indicar e supervisionar qualquer tipo de exercício.
  • Monitorize o medicamento prescrito pelo médico. Você pode utilizar a tabela que apresentamos na parte de “Medicamentos”.
  • Aprenda a medir a pressão arterial e a frequência cardíaca manualmente para monitorizar o desenvolvimento do seu tratamento.
  • Implemente técnicas para poupar energia, assim você terá mais energia para realizar atividades diárias como trabalhar ou até ter relações sexuais. Você pode implementar as seguintes técnicas, entretanto é sempre recomendável perguntar ao seu médico se você pode fazê-las.
  • o Quando trabalhe, tome pequenos descansos.
  • o Não faça movimentos rápidos. Faça movimentos devagar e com delicadeza para evitar a fadiga.
  • o Evite fazer qualquer atividade após as refeições ou quando estiver com muito frio ou calor.
  • o Evite atividades que exijam um esforço excessivo de você.

 

Dicas para cuidadores

Em todos os tratamentos médicos, os pacientes encontram apoio valioso na sua família e amigos. Eles devem tentar compreender e fornecer cuidados suficientes para que o paciente possa sobrelevar as mudanças que o tratamento gera na vida dele: dificuldades para realizar suas atividades diárias devido à fadiga ou se acostumar a tomar vários medicamentos no dia, e às mudanças na alimentação.

Se você é parente ou amigo de um paciente com insuficiência cardíaca, estas dicas poderiam ser de utilidade para você:

 

  • Apoie o paciente planejando como e quando ele deve tomar os medicamentos.
  • Quando acompanhar o paciente à consulta médica, você também pode anotar algumas das recomendações do médico num caderno especial e fazer perguntas sobre o tratamento.
  • A respeito das mudanças na alimentação do paciente, você e sua família podem implementar algumas das recomendações do médico como usar menos sal ou menos óleo na cozinha. Você pode também cozinhar sem sal e deixar que cada membro da família coloque sal ao gosto.
  • Encoraje o paciente a ter atividade física, sem exceder suas limitações, pois o exercício moderado ajuda a diminuir o desconforto e aumentar a energia do paciente.
  • Se o paciente ficar cansado das atividades diárias (como tomar banho ou se vestir), assegure-se que ele faz uma pausa antes de retomar às atividades.

 

Grupos de pacientes

Em muitos países, tem grupos de apoio conformados por pessoas que sofrem insuficiência cardíaca; nesses grupos, eles encontram um espaço para compartilhar suas preocupações e experiências com o tratamento. Nesses grupos, por exemplo, um paciente que recebeu um transplante pode compartilhar a sua experiência para outro paciente que estiver considerando a cirurgia. Eles também trocam experiências com dispositivos e medicamentos.

 

O ambiente criado nestes grupos é muito rico e tem pessoas que afirmam que eles são uma ótima ferramenta para encarar as dificuldades de carga emocional que se apresentam em qualquer tratamento de doenças crônicas.


Bem-vindo

Cadastre-se agora | Esqueceu sua senha?

Ha olvidado la contraseña

Indique su nombre de usuario o dirección de correo electrónico. Recibirá un link por correo electrónico para crear una nueva contraseña.

Assine a Newsletter


E-mail